Concurso de Poesia "Há Poesia na escola"

 Os rostos da liberdade
 

Queres saber o que é a liberdade?
Pergunta a uma menina muçulmana,
Que perde tanta oportunidade
Por uma discriminação tirana.

 Ou a uma jovem cigana,
Que não pode casar por amor.
Assim o diz a tradição insana
  De que o pai elege seja quem for.  

Queres saber o que é a liberdade?
Pergunta a um rapaz soldado,
Que marcha de metralhadora na mão.
Cérebro subjugado, corpo drogado…

Interrogas-te sobre se tem coração.
Sim, pois claro que tem!
Só está acorrentado, e o cadeado no bolso
De sabe Deus quem…
 
Queres saber o que é a liberdade?
Pergunta a um cachorro sarnento,
Que vive ao Sol e à chuva e sempre preso,
Vê se nos seus olhos há ainda um brilho aceso…
 
 Se procuras o que é ser livre,
Tens de ter uma certa joie de vivre
Em ver outros isentos do sofrimento
E da opressão, esse tenebroso tormento…
 
Queres saber o que é a liberdade?
Então não a tires aos outros,
Pois os que são verdadeiramente livres,
Ainda são verdadeiramente poucos.
 Marcela Carlota Silva Houart, 12ºA, nº17
Neste Dia Mundial da Poesia, divulgamos o poema Os rostos da liberdade, da aluna Marcela Carlota Silva Houart, vencedora na Fase de Escola (Ensino Secundário) do Concurso "Há Poesia na escola" e que obteve o 2º lugar na Fase Concelhia do mesmo concurso.
Muitos parabéns!
 
Divulgamos igualmente o poema da aluna Elena Miru Fonseca Vieira, vencedora do mesmo Concurso na Fase de Escola (3º Ciclo). Muitos parabéns!
 
A Liberdade
 
Olho pela janela
Vejo tudo o que se move
As grades e a chuva ofuscam-me a visão
Mesmo assim, vejo os raios de sol
a andar em contramão
 
É difícil, mas avisto também as plantas
Ontem vi-as a crescer
Hoje vejo-as a morrer
Tudo vem e tudo vai
Nada fica, nem ninguém
 
Mas no fundo, lá bem no fundo da
paisagem,
Vejo-a,
Aquela que liberta os outros da solidão,
Aquela que dança e rodopia lembrando as
ondas num dia de verão
Aquela que tudo expressa sem palavras
E cujas palavras são a sua maior arma
Aquela. Ela.
 
Hoje, nesta sala, penso assim
"Quem será que ela vai salvar,
neste dia escuro e frio?"                                       '
Ouço um sussurro,
Sinto um arrepio...
 
Decido escrever um poema para me
libertar
Libertar-me do mundo
Libertar-me de tudo e de todos
Ela chama-se Liberdade
E hoje ela me salvou
E hoje ela deu voz à minha alma e ao meu
coração
Fazendo com que a minha humilde vida
Não fosse toda em vão
Elena Miru Fonseca Vieira, 8ºA

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Desafio de Escrita "Coimbra inspira-me" | Textos Vencedores