Desafio Municipal de Poesia "Há Poesia na escola" | Resultados



O Desafio Municipal "Há poesia na escola" dirige-se a todos os ciclos de ensino e tem como objetivo assinalar o Dia Mundial da Poesia, incentivando o gosto por este género literário, assim como a imaginação e a criatividade. 

Ocorre em duas fases e, dos poemas apurados em cada escola e enviados para o SABE (Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares) da BMC, foram selecionados três por cada ciclo de ensino.

Este ano o tema foi "A Força da Palavra". Da nossa escola, os poemas das alunas Júlia Rodrigues, do 10.º C e Mafalda Moita, do 12.º F, ficaram em 1.º lugar, ex aequo com mais um aluno da escola D. Duarte e o poema da aluna Ana Cruz, do 5.º C, ficou em 3.º Lugar.

Neste Dia Mundial da Poesia, 21 de março, divulgamos os poemas vencedores. Parabéns às três alunas e a todos os  participantes neste Desafio!

 

Palavra

Palavra que palavra é,

Designação espelhada da vida,

Inspiração inspirada por também a ser,

Musa dos poetas,

Fénix esquecida.


Ecoas em mim,

sussurro gritante de espinhos e flores.

Ouço-te repetida, frenética, sufocada…

Furacão errático para onde me levas?


Cunha, caractere, ideia,

pulsar descompassado.

Rio sem rumo, mar docemente enraivecido,

Floresta etérea, abismo, abraço, sonho.


Palavras, letras, ditongos, gritos.

Gritos de paz,

Gritos de dor,

Gritos de vida.


Ouço-te, escrevo-te, digo-te.

Pacífica assassina,

Amante bélica,

Borrão de tinta,

Senhora dos céus.


Palavra de esperança,

Palavra de amor,

Palavra não dita,

Palavra vazia, oca, inerte…

Palavra que nada sendo tudo é.


Júlia Vieira Rodrigues, 10.º C



A força da palavra


Rasga o silêncio com o que significa,

Às vezes, grita vazios e enche silêncios de prosa.

Conta histórias que nunca aconteceram

E revela sonhos que se concretizarão.

Na paz declara guerra,

Da guerra grita a paz.

Ai de mim sem a Palavra...

Que numa expressão rítmica de beleza

Ecoa como baluartes e ressoa como comportas abertas.

Não, não sou louca,

Apenas não vivo sem a Palavra.

E não há palavras suficientes,

Nem tão poderosas ainda,

Que consigam dizer o que seria existir sem Ela.

Não seria. Simplesmente.

Porque em mim, resta a Palavra como a minha última força,

Num eco verdadeiramente infinito.

Mesmo que se perca no tempo,

Mesmo que me lembre de esquecer,

Só porque a usei em promessas vãs

E a pratiquei, desesperadamente,

Tornando-me indiferente ao seu poder.

E no meio do tudo e do nada que Ela é, rendo-me.

Orgulhosamente, rendo-me.

Porque no princípio era a Palavra.

E a Palavra era um Deus. Eternamente.


Mafalda Moita, 12.º F


A força das palavras 


Algumas palavras são poderosas 

até podem magoar. 

Outras são bem famosas 

pois não se param de usar.


Há palavras que são más 

e outras desagradáveis. 

Que não se devem dizer 

ou escrever. 


Fortes são algumas palavras 

que mexem com o coração. 

Deixam marcas tão grandes 

que nos enchem de emoção! 


Ana Cruz, 5.° C


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Desafio "Há poesia na escola" | Rede de Bibliotecas de Coimbra | A força da palavra