terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Boas Festas!

Nesta época natalícia aqui deixamos um segmento da letra de uma das mais famosas músicas de Natal, inicialmente alemã, mas hoje por todos conhecida na versão inglesa:



Stille Nacht
Letra: Rev. Joseph Mohr, 1816
Musica: Franz Gruber, 1818

Stille Nacht! Heil'ge Nacht!
Alles schläft; einsam wacht
Nur das traute hoch heilige Paar.
Holder Knab' im lockigten Haar,
Schlafe in himmlischer Ruh!

... popularizada pela tradução de John Freeman Young, 1876:


Silent night

Silent night, holy night
All is calm, all is bright
Round yon Virgin Mother and Child
Holy Infant so tender and mild
Sleep in heavenly peace
Sleep in heavenly peace

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

Concurso "Postal de Natal"






































Na presença dos nossos alunos artistas do 11º F, participantes no Concurso "Postal de Natal", entregámos diplomas às autoras dos postais finalistas e um prémio à aluna vencedora. Muitos parabéns a todos!

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Visita do cartoonista Luís Afonso













No dia 17 de Dezembro recebemos a visita do cartoonista Luís Afonso. As turmas do 7º Ano e do 12º Ano (Artes) apreciaram alguns cartoons e a técnica de desenho deste cartoonista, colocando-lhe muitas questões.
Luís Afonso mantém colaborações permanentes em A Bola, Público, Jornal de Negócios, Sábado e Sol. É autor dos livros Bartoon (1996), Selecção (1996), Bartoon 2 (1998), Bartoon 3 (2000), editados pela Contexto, e de Bartoon 10 anos (2003), Futebol por linhas tortas (2004) e Sociedade Recreativa (2005), editados pelas publicações Dom Quixote.

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Leitora maratonista

No final da sessão de comemoração do 60º Aniversário da Declaração Universal dos Direitos do Homem, entregámos um prémio à aluna que mais livros requisitou durante o 1º Período e que é precisamente do 9º Ano. Parabéns à Beatriz Melo, do 9º B! E boas leituras!

Declaração Universal dos Direitos Humanos















As turmas do 9º Ano da nossa escola comemoraram hoje o 60º Aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos. A sessão teve como apresentadoras a Inês e a Teresa do 9º A. Depois de uma breve resenha histórica, passaram-se em revista alguns artigos da Declaração, em Powerpoint, que nos falam da necessidade de combater todos os dias os atentados à violação desses Direitos, como comprovam as notícias lidas por vários alunos e outros textos (poemas incluídos) que denunciam o que está mal.
"La ronde autour du monde", de Paul Fort, terminou a sessão.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

A Ciência na Literatura Portuguesa


















No dia 12 de Dezembro, realizou-se na BE uma sessão para a turma B, do 7º ano, em que a professora Isolina Melo relembrou a figura do físico e poeta Rómulo de Carvalho/António Gedeão, terminando com a audição da Pedra Filosofal, ilustrada com o lançamento de bolinhas de sabão.
No final, a directora de turma entregou um prémio ao aluno Rodrigo Rocha, do 7º B, vencedor do Concurso "A Ciência na Literatura Portuguesa".

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Florbela Espanca
















A Biblioteca não quis deixar de assinalar o aniversário do nascimento de Florbela Espanca com uma pequena exposição.
Florbela Espanca nasceu em Vila Viçosa, em 1894. Era filha de Antónia da Conceição Lobo, empregada de João Maria Espanca, que não a reconheceu como filha; porém, com a morte de Antónia em 1908, João e sua mulher Maria Espanca criaram a menina; o pai só reconheceria a paternidade muitos anos após a morte de Florbela.
Florbela concluiu um curso de Letras em 1917, inscrevendo-se a seguir no curso de Direito, sendo a primeira mulher a frequentar este curso na Universidade de Lisboa.
Em 1919 publica o Livro de Mágoas. É nessa época que Florbela começa a apresentar sintomas mais sérios de desequilíbrio mental. O Livro de Soror Saudade é publicado em 1923.

A morte do irmão, Apeles (num acidente de avião), abala-a gravemente e inspira-a para a escrita de As Máscaras do Destino.
Tentou o suicídio por duas vezes em Outubro e Novembro de 1930, na véspera da publicação de sua obra-prima, Charneca em Flor. Após o diagnóstico de um edema pulmonar, suicida-se no dia do seu aniversário, 8 de Dezembro de 1930.

Concurso "A Europa na escola - 2008"


O conto "Fotografia a preto e branco ", das alunas Ana Bernardino, Filipa Isidoro, Inês Gomes e Teresa Nogueira, alunas desta escola, foi galardoado com o 2º Prémio, a nível nacional, do Concurso "A Europa na escola - 2008". O Concurso decorreu no ano lectivo anterior, frequentando as alunas, na altura, o 11º ano. Actualmente pertencem à turma I do 12º Ano. Parabéns a todas!

Fotografia a preto e branco

Era uma tarde de Verão. O calor intenso que se fazia sentir no centro de Paris confinava-me às paredes da antiga casa do meu avô. Decidi então subir ao sótão e procurar alguns vestidos antigos que por lá estivessem guardados. Foi aí que, ao abrir uma arca, encontrei uma pilha de cartas, umas sobre as outras, velhas, sujas, gastas, perdidas no tempo. Havia, no entanto, uma fotografia que sobressaía entre os demais papéis: a imagem de um homem e de uma mulher com feições árabes, a preto e branco, não se afigurava muito vulgar. A fotografia estava assinada por trás – “Zuhur e Laurent” –, acompanhada de uma carta que ainda conservava as marcas de um passado esquecido. O que li foi surpreendente.

3 de Agosto de 1962

Laurent,

A minha incerteza impede-me de exprimir o que realmente sinto. Na verdade, nem eu sei o que sinto, porque toda esta confusão oculta o meu espírito. Volto amanhã para Argel, agora que já tenho uma pátria. Tornou-se impossível viver em França; também é muito difícil voltar para o meu país. Esta decisão não é fácil, mas é a única que me resta.
Enquanto subia as escadas do teu prédio, acabada de chegar de uma dura viagem que me cansara o corpo e a alma, mas que ao mesmo tempo representava a materialização da minha esperança, sentia que algo inesperado me aguardava. A recusa da Madame Rochelle foi o primeiro sinal de que arrendar um quarto a uma jovem argelina se ia tornar uma tarefa penosa. O primeiro olhar que trocámos? Ficou para sempre gravado na minha memória. Tu foste a primeira pessoa que me olhou sem preconceito ou ódio. Com a tua ajuda, consegui ficar em Paris durante oito anos, no quarto vago que me ajudaste a encontrar.
“Shokran! 1”. Foi a primeira coisa que te disse. A partir daí, nada voltou a ser igual. Apesar de todas as diferenças, a nossa paixão era inevitável: as desigualdades não nos separaram; apenas nos uniram. Durante estes oito anos, tive de lidar com uma faca de dois gumes: por um lado, o nosso país era um só; por outro, as diferenças culturais afastavam os dois povos, o meu e o teu. Também o preconceito da tua família contribuiu para a nossa separação. A primeira vez que os teus pais olharam para o haik2, o choque de culturas surgiu como algo fatal – ficou óbvio, desde o primeiro instante, que eles nunca me aceitariam.
Não podemos estar juntos, não posso praticar as tradições do meu povo, não posso expressar livremente a minha religião. As pessoas que me vêem na rua desconfiam de mim: vêem uma mulher argelina, muçulmana, vêem, no fundo, uma pessoa a evitar, uma inimiga.
Até hoje, sempre tive de lutar pela sobrevivência: após o terramoto de 1954, a destruição que assolou a minha cidade levou-me à escolha de um novo local para viver. Agora, a decisão é definitiva. A destruição que assola a minha cultura obriga-me a partir.

Yajebu an athhaba al aan3. Ma’a salama4.

Zuhur

Quando acabei de ler a carta, olhei para a janela e reparei que, na rua, passava um casal: ele era asiático, ela nórdica. Mais longe, no horizonte, conseguia avistar um bairro social degradado, morada de pessoas menosprezadas pela sociedade, de indivíduos marginalizados pelo mundo, num critério irracional de diferença, baseado não nas pessoas em si, mas na sua etnia e aparência. Um mundo cheio de estereótipos e de generalizações infundadas. No entanto, uma esperança surgiu na minha consciência. Ao contrário do que acontecia em 1962, a União Europeia já não é uma mera união económica e política, mas sim uma união social, interessada em promover o interculturalismo. Hoje em dia, o choque de culturas pode ser transformado num diálogo aberto a todos os cidadãos, de uma forma responsável e livre de qualquer preconceito.
Então lembrei-me da minha colega romena, do meu tio de ascendência portuguesa. Desci as escadas e dirigi-me à sala: a televisão ainda estava ligada; no ecrã passava agora a emissão dos Jogos Olímpicos. Talvez hoje o amor vivido entre o meu avô e a jovem argelina fosse possível. Talvez hoje ela não tivesse de ocultar a os seus costumes e tradições. Talvez hoje a fotografia não fosse a preto e branco: talvez hoje já houvesse uma mistura de cores, talvez já fosse possível uma verdadeira união entre os dois povos. Cabe-nos a nós, enquanto cidadãos, preservar a diversidade cultural e impedir que ela seja um obstáculo, transformando-a numa forma de união. E assim, naquela tarde abrasadora de Verão, apercebi-me de que as diferenças culturais não são mais do que elementos que enriquecem o nosso mundo.


As escolhas de ...

Isolina Melo - Professora de Biologia

Semana da Cultura Científica





































Durante a semana passada, de 24 a 28 de Novembro, comemorámos a Semana da Cultura Científica com uma exposição alusiva à efeméride e o Concurso "A Ciência na Literatura Portuguesa".
Dos alunos participantes que preencheram correctamente os cinco boletins da semana, sorteámos um, e o vencedor é ... RODRIGO ROCHA, do 7º B. Parabéns!
O prémio será entregue brevemente.

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Concurso "Postal de Natal"

Encontram-se expostos no Bloco B, à entrada da Biblioteca, os postais de Natal elaborados pelo 11º F, sob a orientação da professora Ana Vinhas. Estes trabalhos foram elaborados no âmbito de um Concurso "Postal de Natal", de iniciativa da Biblioteca Municipal. Pretendia-se que cada escola que subscreveu o Grupo de Trabalho Concelhio da Rede de Bibliotecas de Coimbra (RBC), no passado dia 8 de Outubro, escolhesse o postal representativo da sua escola.

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

Destaques da imprensa

Super Interessante, nº 128, Dezembro de 2008


  • "Era uma vez o matriarcado" é um artigo deveras curioso que se pode ler nas págs. 70 e ss., sobre sociedades antigas e outras ainda actuais, onde as mulheres mandam, detêm o poder, ou os poderes e exercem papéis fundamentais na sociedade e na cultura do seu povo. Vejam as imagens e descubram também algumas da chefes mais poderosas que já existiram em sociedades machistas.

Jornal de Letras, nº 995, de 19 de Novembro a 2 de Dezembro

  • E, como não podia deixar de ser, destacamos também esta semana um livro acabado de editar, de Amélia Pinto Pais, o Sermão do Padre António Vieira contado às crianças, em "Padre António Vieira : O Imperador da Língua Portuguesa". Nesta entrevista, a autora fala dos motivos que a levaram a escrever este livro para os mais pequenos, que vão poder "ouvir" a história deste jesuíta contada por ele próprio. Uma boa sugestão para quem quiser oferecer um livro a uma criança, neste Natal!

terça-feira, 25 de novembro de 2008

Alunos do 8º ano à descoberta do caminho marítimo para a Índia






O grupo de História desta escola realizou uma exposição, patente no átrio do bloco B, junto da biblioteca, a decorrer entre os dias 19 e 28 de Novembro, que ilustra a primeira viagem de Vasco da Gama à Índia, no âmbito dos conteúdos programáticos leccionados neste período às turmas do 8º ano, a cargo dos professores Bela Ferreira e João Silva.
Para além dos alunos das referidas turmas, que visitarão a exposição acompanhados dos respectivos professores, convidam-se todos os alunos e restante comunidade escolar a visitá-la, dado o seu grande interesse pedagógico. A mesma consta de um conjunto de 22 cartazes com imagens e textos alusivos ao acontecimento que internacionalizou o nosso país em finais do século XV, no reinado de D. Manuel I, e que lhe valeu o cognome de “O Venturoso”.

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

As escolhas de ...

Rui Carvoeira - Professor de Educação Física

Concuro"A Ciência na Literatura Portuguesa"

Como nada passa por nós, BE, sem "parar " um bocadinho, também não esquecemos o Dia da Cultura Científica, 24 de Novembro, que assinalamos com uma exposição e concurso. Este, subordinado ao tema "A Ciência na Literatura Portuguesa", tem por base a selecção de cinco textos, um para cada dia da semana, em poesia e prosa, de autores portugueses, onde a Ciência se encontre referenciada. Pretende-se que os seus autores sejam identificados pelos alunos, de 24 a 28 de Novembro.
Participem e habilitem-se ao prémio final!

José Saramago







Para comemorar o nascimento de José Saramago e, mais uma vez, evocar o nosso Nobel da Literatura, a BE realizou uma exposição alusiva ao escritor, com textos biobibliográficos e imagens ilustrativas.
Desta exposição constou também a refência ao filme de Fernando Meirelles, adaptado da obra homónima, "Ensaio sobre a Cegueira".
Mais uma vez Literatura e Sétima Arte de mãos dadas... para "vermos" tudo muito bem!

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Sugestão de Leitura


Marley & Eu: A Vida e o Amor do pior Cão do Mundo

John Grogan

Chamavam-se John e Jenny, eram jovens apaixonados e estavam a começar a sua vida juntos, sem grandes preocupações, até ao momento que levam Marley para casa, uma bola de pêlo fofinha no início, mas que rapidamente se transformou num enorme labrador. As confusões que daí advieram... bem, só lendo! Não vamos estragar o prazer da descoberta; por isso, aceitem a nossa sugestão. Esta é também uma das obras recomendadas pelo Plano Nacional de Leitura.

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

As escolhas de ...

Manuela Abrantes - Professora de Português

Destaques da imprensa

Visão, nº 818, 6 a 12 de Novembro de 2008

  • Imperdível, a entrevista de José Saramago (pág. 120 e ss.), na qual fala do seu último lançamento, A Viagem do Elefante, bem como do filme a partir de Ensaio sobre a Cegueira, a estrear, e ainda do seu blogue, dez anos após a entrega do prémio Nobel.

National Geographic, nº 92, Novembro de 2008

  • Dotados de grandes cérebros e de uma força enorme, os Neandertais, nossos equivalentes primitivos, pareciam equipados para ultrapassar qualquer obstáculo. No entanto, o clima foi mudando e uma nova espécie surgiu, tendo os Neandertais de procurar refúgio nas terras altas. Não percam este interessante artigo (pág. 4 e ss.), ilustrado com a qualidade a que a revista já nos habituou.

Os meus livros, nº 69, Novembro de 2008

  • Mais uma vez, para os amantes do romance histórico, há muitas novidades. A escrita do romance histórico tomou de assalto os autores portugueses. Como trabalham estes autores? Como investigam? Como inventam as figuras a que dão vida? Conheçam as obras e os seus autores. (pág. 37 e ss. ). Leiam mais. Leiam sempre!















Exposição do 11º F


No átrio do Bloco B, à entrada da Biblioteca, encontra-se mais uma exposição dos alunos de Artes - "AUTO-RETRATO COM PONTOS". É uma exposição dinamizada pela professora de Desenho Ana Vinhas, com trabalhos dos alunos do 11º F sobre o Pontilhismo, em grafite sobre papel.

Colóquio/Debate Desporto e Filosofia


Realizou-se no dia 11 de Novembro de 2008, na Sala dos Grandes Grupos da nossa escola, um Colóquio/Debate no âmbito das actividades extracurriculares previstas no Plano de Actividades da Escola, organizado conjuntamente pelos Grupos de Educação Física e Filosofia.
"A Filosofia vista por um desportista" foi o tema desenvolvido pelo professor de Educação Física Fernando Rodrigues; pelo professor de Filosofia Amaro Monteiro foi desenvolvido o tema "O Desporto visto por um filósofo". Do ponto de vista do desportista foram abordadas as questões "A importância da Filosofia", "A Filosofia do "Portuga" do séc.XXI" e "A Filosofia do vencedor". O ponto de vista do filósofo centrou-se num olhar crítico sobre os aspectos positivos e negativos do desporto, complementado com o visionamento de um DVD sobre uma modalidade desportiva.
Estiveram presentes vários professores e alunos das turmas do Curso Tecnológico de Desporto.

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Campanha "Guerra às Borbulhas"


No dia 30 de Outubro de 2008 decorreu na nossa escola uma Sessão de Esclarecimento sobre a Acne dirigida a alunos do 9º e 10º anos, inserida na campanha "Guerra às Borbulhas", uma iniciativa do PAAB (Portuguese Acne Advisory Board), a decorrer em cinco distritos portugueses. No distrito de Coimbra a nossa escola foi a única seleccionada, face ao interesse demonstrado pelos professores do 11º Grupo B. A sessão foi dinamizada pelo Prof. Doutor Américo Figueiredo (responsável pela Dermatologia dos HUC). Esta campanha pretende criar um maior conhecimento das características, formas de evitar e controlar esta patologia que afecta cerca de 80% dos adolescentes de todo o mundo.
No âmbito desta Campanha foi lançado um importante site informativo em português - http://www.acnecare.pt/ - que pretende fornecer aos jovens informação relevante sobre formas de tratamento e prevenção, esclarecer as verdades e mentiras que são feitas em torno da Acne.
Na Biblioteca podem consultar um dossier sobre esta patologia e encontram um pequeno desdobrável informativo que podem levantar.

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Sophia de Mello Breyner Andresen


Sophia de Mello Breyner Andresen nasceu no Porto, no dia 6 de Novembro de 1919. Cresceu rodeada por um avô médico apreciador de poetas que lhe deu a ler Camões e Antero, uma mãe que lia sem cessar e uma criada que recitava versos do cancioneiro popular. Antes de saber ler já ouvia versos e começou a escrever poesia muito cedo. Casou com o advogado e jornalista Francisco Sousa Tavares em 1946, fixando-se definitivamente em Lisboa.
A sua poesia é uma viagem pelos quatro elementos: Terra (flor, árvore, jardim), Ar (brisa, vento), Água (fonte, rio, mar) e Fogo (luz, sol). Como diria Manuel Alegre "...a sua poesia, como toda a verdadeira e grande poesia, pode ser dita, cantada e até dançada".
Sophia morreu aos oitenta e quatro anos, no dia 2 de Julho de 2004. ("Quando eu morrer voltarei para buscar Os instantes que não vivi junto do mar").
A BE homenageia esta extraordinária poetisa com uma pequena exposição.

terça-feira, 4 de novembro de 2008

sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Concurso "DESAFIOS"




A Biblioteca promove, semanalmente, e em alternância, o concurso "DESAFIOS": Científicos, Literários e Desportivos. São colocadas aos alunos questões que os incentivam à pesquisa e lhes desenvolvem a sua cultura geral. No final de cada período atribuir-se-á um prémio a quem tiver mais respostas certas. Participem!

Sugestão de leitura


Relembrando José Cardoso Pires, dez anos depois da sua morte, aqui deixamos a nossa sugestão, O Delfim, talvez a sua obra mais conhecida. A história tem início com o regresso de um escritor à Gafeira e o romance parte do seu olhar crítico para se desenvolver numa narrativa de tons policiais.

Não perca esta leitura.

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Destaques da imprensa


Visão, nº 816, 23 a 29 de Outubro

  • Cáustica e em forma, fala de Portugal, da Educação, dos políticos e de si própria. Gostava de ter nascido no século XIX. Ah, mas na pele de um homem... É Maria Filomena Mónica, socióloga e historiadora, que nos dá uma entrevista com a contundência crítica a que já nos habituou. A ler, a partir da pág. 110.


  • Também a não perder, na pág. 118, a entrevista (polémica quanto baste) de António Lobo Antunes a Gonçalo Tavares, da qual irá resultar uma apresentação pública da última obra do escritor, O Arquipélago da Insónia. Leia e partilhe deste diálogo interessante sobre livros, leitura ... e prémios literários aos quais, segundo Lobo Antunes, só concorrem os escritores que estejam "à rasca"!

Jornal de Letras, nº 993, 22 de Out. a 4 Nov.

  • Le Clézio: Nobel da Literatura em 2008. Isto já sabemos. Mas ... quem é este escritor? O que escreve, como escreve, que rupturas estabelece com os seus antecessores? Respostas a estas e outras perguntas pode encontrá-las a partir da pág. 18, num artigo muito interessante sobre este escritor. Leia e divulgue. Verá que vale a pena.


  • Nunca se sabe, mas talvez tenha muito a ver com a nossa realidade o livro de François Bégaudeau, A Turma, também já adaptado ao cinema. Um jovem professor de Francês do Secundário torna-se um escritor e publica um romance que logo se transforma num "best-seller". Nele, qualquer semelhança com a realidade portuguesa não é pura coincidência. Deixe-se espicaçar pela curiosidade e leia. Entre naquela turma e, se for professor, divulgue também nas respectivas turmas. Boa leitura! (JL Educação, págs 1 e 2). O filme A Turma estreia entre nós no dia 30 de Outubro.

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

As escolhas de ...

Conceição Manaia - professora de Geografia

José Cardoso Pires morreu há 10 anos


Assinalando os 10 anos da morte de José Cardoso Pires, a biblioteca apresenta uma exposição bibliográfica do autor, com os livros que podem aí encontrar: "Balada da Praia dos Cães", "De Pofundis, Valsa Lenta", "O Delfim", "República dos Corvos", "O Hóspede de Job", "Alexandra Alpha", "Dinossauro Excelentíssimo" e "Lavagante". José Cardoso Pires nasceu no dia 2 de Outubro de 1925 e morreu no dia 26 de Outubro de 1998.

Exposição do 12º F


No átrio do Bloco B, à entrada da Biblioteca, encontra-se uma exposição de trabalhos dos alunos de Desenho, do 12º F, organizada pela professora da disciplina Marina Pacheco. Os trabalhos consistiram na exploração, com base numa fotografia, de técnicas de representação em grafite sobre papel.

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Sugestão de leitura

O que diz Molero, de Dinis Machado
Para recordar Dinis Machado, falecido recentemente, escolhemos esta obra, que constitui uma verdadeira viragem no mundo da Literatura Portuguesa, pós 25 de Abril.
É um livro cheio de vida e de força, escrito com muito bom humor e que diverte imenso o leitor. Mas há também espaço para os pequenos dramas e passagens que nos fazem sonhar, como o fim da história que, evidentemente, não vamos revelar.
Como alguém já referiu: "um livro-bomba, uma obra de arromba", à vossa disposição na Biblioteca.

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Prémio Nobel da Literatura para Jean- Marie Le Clézio


O Prémio Nobel da Literatura 2008 é francês, tem 68 anos, escreveu mais de 50 livros e é um autor de culto em França. Nasceu a 13 de Abril de 1940, em Nice, filho de um cirurgião e de uma francesa da Bretanha, tendo ido aos oito anos com a família para a Nigéria, onde o seu pai foi colocado durante a II Guerra Mundial. Escreve ininterruptamente desde os sete anos. Escreveu contos, romances, ensaios, novelas, traduções de mitologia ameríndia. Le Clézio dedicou parte da sua obra a escrever sobre outas culturas, por exemplo sobre os ameríndios, pois diz que estes não têm tido oportunidade para se expressarem e acha importante que os europeu se encontrem com estas culturas tão diferentes. É considerado um "escritor de causas".
Algumas obras:
O Caçador de Tesouros, Deserto, Estrela Errante, Diego e Frida, Índio Branco, etc.

As escolhas de...

As escolhas de Hernâni Gomes - professor de Filosofia

Destaques da imprensa

National Geographic, Outubro de 2008
  • Interessantíssimo artigo sobre o cérebro, arquivo das nossas memórias, que nos prega, às vezes, algumas partidas. Contada em jeito de história, venha conhecer a vida de EP e de outras pessoas que, como ele, perderam a memória e esqueceram esse facto, vivendo só no presente (págs. 2 e ss.)
  • Algumas aves nasceram mesmo para a poesia. É verdade até que a vida de algumas se assemelha a um romance épico! Se não acredita, espreite as páginas 58 e ss. e delicie-se com as imagens lindíssimas de alguns destes "poetas". Divulgue, porque vale a pena!
Os meus livros, nº 68, Outubro de 2008
  • Dois regressos à sua escolha: o de João Aguiar, com o romance "O Priorado do Cifrão", para quem gosta de romances históricos; e o de António Lobo Antunes, com "O Arquipélago da Insónia". Esperando que lhe causem boa disposição e não insónias, aqui ficam as nossas selecções. Boas leituras!

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Dinis Machado, o "escritor de obras-primas"

O escritor e jornalista Dinis Machado morreu na passada sexta-feira, dia 3 de Outubro, em Lisboa.
Aí nasceu a 21 de Março de 1930, filho de um árbitro de futebol conhecido como Oliveira Penalty. Dinis Machado escreveu séries para a RTP, argumentos e diálogos para filmes, fez crítica de cinema e, sob o pseudónimo de Denis McShade, publicou três romances policiais. Também escreveu poesia e alguns, poucos, livros. Mas o romance que o consagrou foi "O que diz Molero", em 1977, e que levou Clara Ferreira Alves, na sessão de relançamento da obra, trinta anos depois, a dizer "não podemos comemorar a carreira literária do Dinis, porque ele não a tem, tem meia dúzia de obras-primas (...) ", realçando que "O que diz Molero" era "um tratado sobre o que é ser português".
Podem encontrar o livro "O que diz Molero" na nossa biblioteca.

terça-feira, 7 de outubro de 2008

Dia dos Castelos - 7 de Outubro


Os alunos da turma A do 8º Ano, sob a orientação da professora de História, Bela Maria Ferreira, assinalaram o Dia dos Castelos com uma exposição de trabalhos por eles elaborados, patente na Biblioteca da nossa Escola. A referida exposição consta de uma amostra de castelos de Norte a Sul do país, dando a conhecer uma parte do nosso património arquitectónico com fins defensivos.
Os alunos desenvolveram as pesquisas com muito empenho e agrado, como é manifestado nalgumas das conclusões dos trabalhos:

“Gostei de fazer esta pesquisa, pois com ela fiquei a conhecer melhor uma das construções existentes no sul do país, o castelo de Castro Marim”.

Leonardo Torres, nº 13

“Este trabalho serviu para eu aprender muito sobre a história do nosso país… descobri coisas fantásticas! O nosso património é muito rico e queria mostrar que, apesar de sermos um país pequeno, temos uma história linda!”
Valentina, nº 20


“Após a realização deste trabalho aprendi imenso sobre a História de Portugal e sobre este castelo cheio de história…, o fantástico castelo de Chaves! Na minha opinião este trabalho foi muito produtivo”.
José Miguel Regadas, nº 12


“Acho que foi uma boa iniciativa realizarmos trabalhos sobre os castelos de Portugal, homenageando o Dia dos Castelos”.
Kevin, nº 15